tocar-piano-teoria-musical

Como estudar a teoria musical para tocar piano?

Como estudar a teoria musical?

 

Se você quer aprender a tocar piano, pode ser que no início a teoria musical não seja imprescindível, mas dificilmente você irá dominar o instrumento sem ter uma boa base teórica.

Se você já se cansou de pegar cifras na internet e tocar uma coisinha ou outra, sem nunca saber tocar algo de verdade, não se desespere. Não quer dizer necessariamente que você não tem capacidade para aprender a tocar piano.

E desconsidere aquela ideia de que pessoas que tocam bem já nasceram com talento para isso, porque não é verdade. Posso garantir que os maiores músicos estudaram teoria, e muito!

Existe um modo de você aprender a tocar piano de uma forma agradável e divertida, de modo que você possa evoluir nos estudos em pouco tempo e sem perceber já estar tocando de maneira bem melhor. Porém, não há mágica nesse processo e você precisará estudar bastante teoria.

tocar-piano-teoria-musical

Pode onde começar?

A teoria musical pode se dividir entre teoria avançada, intermediária e para iniciantes. Infelizmente, não existe a possibilidade de aprender algum truque para sair tocando piano como Mozart em uma semana.

Se você quiser aprender a tocar piano de verdade, o ideal é que comece estudando teoria musical, e mais importante ainda que essa teoria seja voltada para iniciantes.

Existem alguns termos que você precisa estar dominando antes querer tocar o piano propriamente dito. Vamos exemplificar alguns abaixo:

 

  1. Melodia: a melodia é a divisão da música que permite ser cantada.
  2. Harmonia: a harmonia é a parte “técnica”, é a parte que em que as notas se juntam à melodia para dar uma base para que a música possa ser “cantada”.
  3. Tom: um tom musical é uma medida que mede a distância entre duas notas sustenidas. Já o semitom mede a distância entre apenas uma nota sustenida. Desse modo, podemos dizer que existem doze notas em uma escala (contando apenas os sustenidos, e não os bemóis), que são Dó, Dó#, Ré, Ré#, Mi, Fá, Fá#, Sol, Sol#, Lá, Lá# e Si.
  4. Oitava: a oitava é uma distância que mede as doze notas da escala, que vai de Dó a Dó, contando todas as notas sustenidas.
  5. Acorde: um acorde é formado quando mais de uma nota de uma escala é tocada simultaneamente. Um acorde pode ser formado pela junção de quaisquer notas.

 

Como esses conceitos podem ajudar nos estudos?

Esses conceitos explicados acima são os mais básicos possíveis. Sem eles, não é possível fazer praticamente nada, a não ser tocar uma ou outra música de ouvido.

Entenda que para aprender piano, ou para tocar piano é necessário saber teoria musical, mas isso não está necessariamente ligado ao fato de que você precisa aprender a ler partitura.

Você pode saber um pouco de teoria sem saber ler com precisão uma partitura. Mas claro que, ao longo do tempo, enquanto você aprende a teoria por outros meios, acaba aprendendo também a ler partitura. A partitura não é um monstro de sete cabeças, e se você não tiver pressa, aprenderá em pouco tempo.

Não existe um mínimo de horas que devam ser usadas por dia para o estudo. Você já deve ter ouvido a teoria de que 10.000 horas são necessárias para atingir a perfeição em qualquer coisa, mas se elas não forem bem usadas, não adiantará nada passar 10 horas por dia estudando. O que importa é a qualidade dos estudos, e não a carga horária.

Uma estratégia para que você aprenda melhor em menos tempo é observar os seus próprios erros enquanto aprende a tocar piano. Isso fará com que você comece a se corrigir sem criar vícios.

Outra dica é diminuir a velocidade original da música para que você possa ir treinando aos poucos tanto a teoria quanto a prática, principalmente a forma de coordenar os dedos e a maneira de articular as mãos no piano!

 

Se você gostou do artigo de hoje, deixe a sua curtida abaixo, e não se esqueça de compartilhar o post em suas redes sociais!